Dedos pegajosos de Rolling Stones

Sticky Fingers, com o zíper real, de verdade na capa. Super conservado. Álbum polêmico do Rolling Stones . Vinil original.

Capa do disco Sticky Fingers, do Rolling Stones

R$385,00. Adquira agora o seu

O disco vendeu um milhão e meio de cópias pelo mundo todo, somente nos dois primeiros meses de seu lançamento, em 1971.

Sticky Fingers é um dos melhores álbuns do Rolling Stones. Se comparado a outros discos já gravados pela banda, foi nele que houve o mais equilibrado repertório entre o rock, o blues e as baladas.

Vale lembrar que esse Lp foi o primeiro vinil produzido pela própria gravadora dos Stones, trazendo não só a primeira aparição do famoso logo com a língua para fora, mas também a primeira canção de rock que falava explicitamente a respeito de drogas: Sister Morphine.

Ela narra a agonia alucinante de um viciado que implora por morfina no leito de um hospital. É uma música sinistra e, provavelmente, a mais pungente do disco.
Mick Jagger a interpreta sem qualquer tipo de afetação. O seu canto é um lamento desesperador carregado de emoção genuína, como se soubesse que aquela pessoa, a qual a música se refere, poderia muito bem ser ele próprio suplicando angustiadamente por um pouco de morfina.

 Sticky Fingers

Relíquia de 1971. Rolling Stones. Conservado
Com zíper de verdade na capa

Frete grátis em Presidente Prudente.

R$385,00

Adquira agora o seu

Língua dos Stones. Logotipo do Rolling Stones.

O símbolo da irreverência

Sticky Fingers possui dez faixas que, na sua maioria, fazem alusões subjacentes a drogas, álcool, sexo, confusões amorosas e desolação emocional. Porém, por outro lado, a sonoridade do disco esbanja uma qualidade musical autêntica, com marcantes riffs de guitarra num estilo alternativo e despojado.

Aclamado como obra prima do rock, Sticky Fingers está na 64ª classificação dos 500 maiores álbuns de todos os tempos da revista Rolling Stone.
Ele também se encontra na 49ª posição entre os 200 discos definitivos da lista do Rock and Roll Hall of Fame, uma instituição destinada a registrar a memória de artistas, músicos, bandas e produtores de grande influência na indústria musical, principalmente na área do rock and roll.

Mas, a despeito de toda a qualidade musical desse álbum, um detalhe curioso que causou o maior escândalo foi a foto de sua capa. Considerada ousada e até indecente para os padrões da época, ela ostentava os quadris de um homem trajando um jeans que, de tão justo no corpo, deixava transparecer uma suposta ereção peniana.

Muitos pais de adolescentes ficaram chocados com essa imagem. E como se não bastasse, o zíper da calça era mesmo de verdade. Ao abri-lo, vi-se as virilhas seminuas vestidas por uma cueca de algodão, intumescida frontalmente.

A ideia provocativa partiu do artista plástico Andy Warhol e, na ocasião, acabou sendo tachada de obscena por alguns países. A Espanha, por exemplo, chegou a censurar a capa do disco, que foi substituída pela imagem de três dedos femininos saindo de dentro de uma lata.

Lado A
1 Brown Sugar
2 Sway
3 Wild Horses
4 Can not You Hear Me Knocking
5 You Gotta Move

Lado B
1 Bitch
2 I Got The Blues
3 Sister Morphine
4 Dead Flowers
5 Moonlight Mile

Referências:
Revista Rolling Stone. 500 Greatest Albums of All Time. Maio, 2012.
Wikipedia. Lista dos 200 álbuns definitivos no Rock and Roll Hall of Fame.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *